Monday, May 7, 2007

the King is dead, long live the King

depois do anúncio do fim dos New Order (vá lá, já se arrastavam há alguns anos, é verdade..), é anunciada mais uma super-banda. Freebase.
Freebase: "Freebase refers to the standalone basic form of an alkaloid, as opposed to its water-soluble salt form. Most alkaloids are unstable and corrosive in their freebase form, and thus are usually stored in salt form, such as their hydrochloride salt... refers to smoking freebase cocaine, crack cocaine, freebase heroin or more rarely freebase PCP. Freebasing also refers to the process of freeing the active ingredients of a drug from its adulterants with which, in the slang term, it has been "cut". in Wikipedia.

Aposto que alguém já se está a rir, com a designação de Freebase. no contexto certo, os membros da Freebase sabem muito bem o que quer dizer, pois eles são Peter Hook (ex-New Order & Joy Division), Mani (ex-Stone Roses e Primal Scream), Andy Rourke (ex-Smiths), todos eles por coincidência ou não, baixistas e de "Madchester". acrescentando ainda à banda, dois outros elementos que farão parte como vocalistas: Bobby Gillispie (Primal Scream) e Ian Brown (ex-stone Roses) (fala-se ainda de Tim Burgess e Liam Galhager).devem estar reunidos alguns dos maiores consumidores de drogas em Manchester, durante os anos 70. e melhor ainda, elementos das maiores bandas de sempre de "Madchester". a ver vamos como sai o caldinho!!!

5 comments:

PEC said...

Ora, ora, alguém com tempo livre nas mãos.
Parabéns.
Que tal um espaço para poesia?
PEC

Joao said...

tens toda a razao. sendo que a poesia me sai por razoes viscerais (ou será que a propria poesia é visceral?), ainda vai demorando um pouco.
mas tenho feito alguns ataques à minha demência, nesse preciso sentido. mas a clarividência ainda é muita. tenho de treinar mais!
:D

PEC said...

Podes sempre por poemas viscerais

extravaganza said...

Ou como se diz em português, base livre ;)

Sea said...

a poesia, é mesmo visceral!
e julgo que, quanto mais visceral, mais está ao alcance do entendimento, apenas, de quem a escreve.